Como funciona uma rede p2p (Peer-To-Peer)?

Arquiteturas de rede convencionais baseadas em servidores centrais são vulneráveis à ataques e muitas vezes inacessíveis. Então um novo paradigma de arquitetura surge, a rede p2p.

Com a popularização da internet, surgiram softwares para download de músicas gratuitamente, geralmente no formato mp3. O primeiro deles foi o Napster, lançado em 1999, era baseado em servidores centrais para distribuição dos downloads.

Não demorou para que leis de copyright atacassem e derrubassem o servidor central e destruísse a rede do software. O ataque bem-sucedido evidenciou a maior vulnerabilidade do sistema, o ponto único de falha.

Napster distribuído

Em 2000 o Napster precisou bloquear downloads listados por gravadoras o que acabou atrapalhando a proposta inicial do software. Então surge uma nova arquitetura de rede a rede p2p ou peer-to-peer (entre iguais).

Ao se tornar p2p, o Napster não só se tornou seguro à ataques quanto otimizou a distribuição do conteúdo. Em uma rede p2p bastaria alguém ter o software rodando e o conteúdo em seu computador, que este estaria disponível na rede.

As redes com servidores centrais são redes de transmissão de conteúdos enquanto as redes p2p são redes de compartilhamento. Então cada usuário obtém e dissemina conteúdo sendo mais um node da rede.

O Napster p2p foi marcou para sempre a indústria do conteúdo tonando acessível e seguro para todos. Então, até hoje a arquitetura de rede opera de forma segura e imune à ataques, para isso precisara-se atacar todos os nodes.

Como funciona uma rede Peer-To-Peer (p2p)?

Em uma rede p2p o conteúdo é armazenado e disseminado por indivíduos os (Peers da rede). Então quando um peer solicita determinado conteúdo o peer da rede que tiver o conteúdo armazenado estará encarregado do upload.

Em uma rede centralizada há um servidor encarregado de disseminar o conteúdo. Em uma rede descentralizada vários servidores são encarregados de disseminar o conteúdo. Redes p2p são distribuídas.

Quando um conteúdo é disseminado em uma rede, peers estarão fazendo download e upload de conteúdo. Então o arquivo é dividido e um peer recebe partes diferentes do arquivo de diversos peers em vários seeds.

Seeds são pedaços do arquivo que são enviados para o node solicitante. Então são criadas chaves identitárias para o arquivo e para cada seed. As chaves identitárias tem a finalidade de identificar os seeds e checar a integridade do arquivo inteiro.

Criptomoeda: Guia super completo, aprenda já!

Para que a rede opere, o software conta com funções hash para gerar chaves a partir dos arquivos. O hash é a identidade do arquivo para garantir a paridade do arquivo em download e o arquivo enviado.

Uma rede p2p é praticamente impossível de derrubar, quanto mais distribuída mais imune a rede estará. Então a guerra pelo controle do conteúdo está perdida. No futuro o paradigma veio a ser aplicado em um sistema de pagamentos.

Redes p2p nas criptomoedas

No Bitcoin é aplicada a arquitetura de rede p2p para a escrita do Blockchain. Então cada node dentro da rede do bitcoin dissemina os registros para todos os nodes criando.

Em se tratando da preciosidade dos registros dentro do Bitcoin, este paradigma ainda tem a vantagem da segurança. A expansão de uma rede p2p acontece por usuários comuns com seus computadores.

Quanto mais distribuída a rede do Bitcoin se torna, mais segura se faz. Então com número crescente de nodes que podem aderir ao deixar a rede a qualquer momento. Portanto o registro é auditado de forma distribuída.

Equipe Cripto

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: